Sala de
Imprensa

Fechar
24.03.2020
Coronavírus: dicas para enfrentar o confinamento da melhor forma possível

Estabelecer rotina, ter cuidado com excesso de informações e se conectar com pessoas queridas por meio da tecnologia são algumas recomendações de psicóloga

A pandemia de coronavírus que afeta o mundo [e recentemente chegou ao Brasil] mudou abruptamente a vida e rotina dos brasileiros. Antes acostumados a ir e vir sem nenhum temor, agora a população se depara com a necessidade do enclausuramento. A medida, segundo afirmam as autoridades sanitárias, é uma das principais formas de conter o avanço em ritmo acelerado da doença.

De acordo com a psicóloga Ana Luíza Andrade Müller Rodrigues, as pessoas que estão desorientadas por causa da quarentena, sem saber como conseguirão cumprir tal determinação e muito menos por quanto tempo, devem, em primeiro lugar, tentar estabelecer uma rotina, mesmo dentro do lar. “Acorde, tente se exercitar pela manhã [é possível fazer isso, usando seu próprio corpo, sem necessidade de academia]. Caso não saiba como, uma dica é recorrer à vídeos na internet, produzidos por profissionais de educação física, por exemplo”, explica a especialista que atua como Consultora de Desenvolvimento Humano Organizacional do Cetus Oncologia, hospital dia especializado em tratamento oncológico com sede em Betim e unidades em Belo Horizonte e Contagem.

A segunda dica, conforme afirma Ana Luíza, é ter cuidado com o excesso de informações disseminadas tanto pelas emissoras de TV e rádio quanto na internet. “Basta ligar a TV ou acessarmos a web para sermos bombardeados de notícias, muitas delas sem a certeza de uma fonte segura. E isso fica muito mais latente quando estamos em casa. Sendo assim, que tal determinar um único momento do dia para ter acesso à informação? Caso contrário, se você não tiver esse equilíbrio, enfrentar o confinamento e as incertezas sobre a duração desse processo pode ser bem mais difícil”, orienta a psicóloga acrescentando que o estresse gerado pelo acúmulo de informações pode causar, até mesmo, ansiedade em síndrome do pânico.

Ainda de acordo com Müller, outra sugestão neste momento de isolamento social é aproveitar para colocar as tarefas em dia. “Leia os livros que estão guardados e há tempos você deseja ler; faça cursos online e não deixe de se desenvolver e se atualizar. Temos que enxergar a oportunidade para descobrirmos novas aptidões que, em nossa vida corrida do dia a dia, são mais difíceis de serem descobertas ou para as quais não damos a devida atenção.”

Dedicarmos tempo àquilo que gostamos também pode ser alentador. Essa fase de quarentena, conforme aponta Ana, é muito oportuna para quem deseja ligar para as pessoas que ama ou resgatar contatos preciosos. “Nesse dinamismo do mundo virtual e dos contatos via whatsapp, esquecemos de falar ‘alô’, ouvir a voz do outro em tempo real, sem ser por meio de áudio ou apenas mensagem. Que tal resgatar isso? A tecnologia pode ser aliada. Para isso, use e abuse das ligações de vídeo, por exemplo. Você não só ouve como vê a pessoa”, exemplifica.

Por fim, mas não menos importante, a psicóloga pede para que não fiquemos preocupados sobre o quanto o confinamento vai durar, mas sim possamos entender que ele é extremamente necessário para que a velocidade da contaminação pela Covid-19 não avance. “Prefiro me apegar aos ensinamentos que vamos tirar dessa experiência do que saber quando ela vai acabar. Dois deles, valem a pena ser destacados: Na dor é que, de fato, aprendemos a importância do quanto as pequenas coisas do dia a dia, como a liberdade de ir e vir, a riqueza de um abraço, são, na verdade, grandes e não se vendem nem se compram. O segundo está ancorado na importância da empatia. Esse vírus traz à tona o conceito de coletividade, de nos importarmos com o outro, afinal se eu não me previno, deixo minha família e entes queridos em situação de risco”, pontua.

Caso alguém tenha dificuldades de se conectar consigo mesmo, Ana indica a existência de vários grupos online de psicólogos, até mesmo gratuitos, que podem ser úteis no enfrentamento a esses dias difíceis. “Não tenha medo de pedir ajuda. Estamos temporariamente isolados fisicamente, apenas fisicamente, mas a ideia é nos mantermos conectados e, juntos, superarmos este desafio global, com resiliência, sabedoria e confiança”.

ASSESSORIA DE IMPRENSA:

Agenda Comunicação Integrada

Jornalistas responsáveis:

Maíra Rolim – JP 8850- MG

Daniel de Andrade – RP 0020661-MG

(31) 3021-0204 | 9 8500-1358 | 9 9120-1068

www.agendacomunicacao.com